Equilíbrio Financeiro

17 jul Equilíbrio Financeiro

Precisamos estabelecer um ponto de partida em nossas vidas, até para que possamos saber onde queremos chegar. Talvez este não seja o primeiro passo ou o mais importante, mas sem dúvida é necessário se quisermos criar um equilíbrio entre as nossas vontades e o nosso bolso.

        Uma das perguntas que ouvi com mais frequência nos últimos anos foi: como conquistar equilíbrio financeiro? Minha resposta rápida é: primeiro, pare de perder dinheiro! A resposta mais demorada inclui a inexorável explicação de que nossa vida é influenciada por nossos afetos e que sem um autoconhecimento mínimo as chances de obtermos sucesso são bastante limitadas.

        Mas o que é ter sucesso? Sucesso pode ser uma bela carreira profissional, uma polpuda conta bancária, viagens ao exterior, os filhos na faculdade, os netos morando com os pais não divorciados, a aposentadoria sem preocupação financeira, muitas mulheres no portfólio afetivo, um homem muito apaixonado em casa, um belo corpo, uma casa na praia, um churrasco com amigos no final de semana, trocar o carro todo ano, ter ao menos uma bolsa de cada nova coleção da louis vitton, tudo isso ao mesmo tempo, ou ainda, nada disso.

        Sucesso e felicidade são confundidos na nossa fala, no nosso coração e na nossa mente, mas acima de tudo, sucesso e felicidade são absolutamente singulares, com significados individuais. Embora a sociedade estabeleça alguns parâmetros é na subjetividade de cada um que reside o valor essencial do que realmente é ter sucesso e ser feliz.

        A segunda insistente pergunta é: o que faz uma psicanalista no mundo da economia? Gosto de responder com outra questão: o que faz um economista no mundo “psi”? O fato de separarmos as ciências didaticamente para as estudarmos não significa que elas não dialoguem entre si, afinal sabemos que os rótulos engessam nossa mente.

        Quando conseguimos expandir as fronteiras dos nossos pensamentos e das nossas convicções, ainda que seja para fortalecermos algumas velhas ideias, criamos tanto uma legitimidade interna, quanto uma rede repleta de pessoas com as quais podemos trocar experiências e, efetivamente, evoluímos enquanto seres humanos. É assim que conseguimos trocar uma cultura do endividamento pelo desafio do investimento saudável e conquistamos um equilíbrio financeiro.

Márcia Tolotti

Nenhum comentário.

Adicione um comentário